Curso: Introdução às questões arquivísticas

Desde o séc. XIX os acervos arquivísticos vem ganhando projeção simbólica e material tanto em suas composições, como quanto ao uso feito dele. Inicialmente ligados à ideia de “celeiros da história”, serviam de arcabouço aos interesses econômicos e políticos ligados a grupos hegemônicos de poder, negligenciando ao “esquecimento” todos os demais agentes históricos tidos como irrelevantes.


Especialmente após a 2ª metade do séc. XX esta visão foi sendo transformada, ao menos na aparência, dotando o tratamento dispendido a esses conjuntos documentais de aparato técnico que os habilitava a uma suposta neutralidade, servindo aos interesses burocrático-administrativos mais imediatos, relegando os anseios da sociedade civil em geral a um plano menos relevante.


Não por acaso, muitas instituições privadas passaram a criar seus centros de documentação e memória, fosse para garantir a perpetuação de grandes personalidades empreendedoras, com seus casos empresariais de sucesso, fosse para permitir o não esquecimento das lutas e organizações reivindicatórias advindas dos movimentos sociais organizados sob as mais variadas bandeiras político-ideológicas, econômicas, étnicas, gênero... tornando-se verdadeiros espaços de resistência, capazes de subsidiar pesquisas históricas e construção de memórias acerca de grupos tradicionalmente negligenciados ou propositalmente silenciados.


Compreender a composição desses acervos e saber trata-los tecnicamente mostram-se tarefas fundamentais a qualquer pesquisador, tornando-o capaz de perceber as “presenças nas ausências” e como, se por um lado, a existência de conjuntos documentais podem ser reveladores, a ausência deles também.

 

A importância disso reside no fato de a maior parte dos pesquisadores ignorarem as especificidades desses acervos, com suas realidades orgânicas e técnicas.

 

OBJETIVOS
  1. tratar de temas ligados à organização e descrição de arquivos; seu tratamento, avaliação e conservação documental, assim com a criação de instrumentos digitais/ analógicos tanto para facilitar a pesquisa como difusão/ acesso à informação.

  2. familiarizar os participantes com a terminologia e a prática arquivística, possibilitando melhor rendimento de suas atividades de pesquisa documental e profissionais, subsidiando os participantes com referências mínimas a respeito da teoria e prática relacionada à seleção, tratamento e disponibilização de acervos documentais.

SOBRE

 

CONTEÚDO

O Curso tem carga horária de  20 horas, certificado pelo Centro de Estudos  e Memória da Juventude. O conteúdo está organizado em 6 aulas transmitidas semanalmente pelo canal do CEMJ no Youtube. Os participantes, que confirmarem presença durante a aula em ao menos 75% das aulas, receberão uma avaliação de múltipla escolha e serão certificados após alcançar rendimento mínimo de 50% na avaliação.

CRONOGRAMA

10/04/2021 - A origem dos arquivos e da moderna arquivística:

  • A visão estereotipada dos arquivos

  • Arquivos X Coleções: especificidades

 

17/04/2021 - As instituições arquivísticas e seus acervos:

  • Arquivos Públicos, Privados e Centros de Documentação

  • A questão do acesso à informação

 

24/04/2021 - Os arquivos como espaços construtores de memória:

  • História X Memória

  • Acervos documentais como patrimônio

  • Seria possível a neutralidade dos acervos?

  • O caso do Arquivo do Estado de São Paulo

 

08/05/2021 - O processamento documental:

  • Teoria das 3 Idades

  • Avaliação documental

 

17/05/2021 - O Gerenciamento Arquivístico e a Disponibilização da Informação:

  • A confecção de Quadro de Arranjo

  • A descrição documental e a elaboração de instrumentos de pesquisa

  • A divulgação e acesso aos acervos

  • Os riscos e vantagens dos meios digitais

 

22/05/2021 - A Elaboração de Ações para a Composição de Acervos:

  • As possibilidades da História Oral

  • O estabelecimento de políticas de doação/ recolhimento

BIBLIOGRAFIA

Mais informações: acervocemj@gmail.com

ACOMPANHE
 
 

Site feito por Eder Bronson @2018